Quando e por que levar a criança ao psicólogo?

Engana-se quem acha que psicoterapia é coisa de adulto. A fase de criança pode ser um dos períodos mais conflituosos para uma pessoa. São tantos estímulos, aprendizados e descobertas diárias, que a criança pode ter dificuldade em assimilar as mudanças físicas e emocionais pelas quais está passando, ainda mais quando alguma situação desconfortável interfere nesse momento.


Diferentemente de um adulto que consegue expressar suas angústias, frustrações, medos e inseguranças através da fala, a criança pode demonstrar que está precisando de ajuda através do seu comportamento. Quando algo não está bem, geralmente, a criança começa a apresentar comportamentos que não existiam anteriormente. Cabe aos pais estarem atentos aos sinais que ela está dando.


Quando a criança está passando por uma situação com a qual não sabe lidar, muitas vezes ela se sente incapacitada de compartilhar com seus pais. Isso é muito comum quando a criança está passando por uma situação de ansiedade, stress ou abuso. A criança pode apresentar dificuldade em distinguir seus sentimentos, não conseguir espaço para comunicar suas dores e também criar fantasias sobre o que pode acontecer se ela contar para os pais.


Geralmente, as pessoas subestimam a capacidade da criança em perceber o que está acontecendo a sua volta, acham que são pequenas demais para entender sobre assuntos tão complexos. Mas o fato é que a criança apenas não expressa suas emoções da mesma maneira que um adulto, mas ela entende, questiona, sente e sofre: Separação dos pais, morte de algum familiar ou o nascimento de um irmão são exemplos clássicos que podem gerar dúvidas, insegurança e tristeza em uma criança.


Mas como o psicólogo consegue compreender os problemas emocionais da criança se ela não consegue explicar para os adultos? A resposta está nas brincadeiras.


Através das brincadeiras o profissional consegue identificar e compreender os problemas emocionais da criança. E é claro que o fato de brincar gera muita dúvida nos pais, que depois de uma sessão geralmente perguntam para a criança: O que vocês estavam fazendo lá? E a resposta é sempre: brincando.


Quando ouvir falar que a criança vai ao psicólogo apenas para brincar, não se assuste, é isso mesmo. Mas lembre-se que não é um simples brincar, existe um método clínico e uma fundamentação teórica por trás das brincadeiras.


Geralmente as brincadeiras utilizadas são voltadas para os problemas enfrentados pela criança, assim ela pode expressar seus sentimentos, pensamentos e comportamentos, trabalhando esses aspectos durante a sessão.


Além disso, quando a criança percebe que o ambiente terapêutico é neutro, sem influência dos pais ou de outro adulto da sua família, ela se sente mais a vontade para se expressar. O vínculo do sigilo terapeuta-criança também colabora para que ela se sinta a vontade.


Mas como saber se devo procurar ajuda para meu filho? Confira alguns sinais de alerta:


  • Alterações no comportamento decorrentes de acontecimentos significativos (morte de um familiar, doença grave, nascimento de um irmão, divórcio dos pais)

  • Ansiedade, irritabilidade, agitação e falta de concentração

  • Dificuldades na escola

  • Tristeza e choro frequente

  • Isolamento

  • Comportamentos agressivos

  • Compulsão pela comida

  • Alteração no sono


Levar um filho ao psicólogo pode gerar um grande desconforto aos pais, que de certa forma, se sentem incapazes de lidar com os problemas dos filhos. Mas é necessário entender que levar o filho ao psicólogo pode contribuir para que toda a família passe por transformações e os pais são peças chaves nesse processo. Sim, os pais com certeza fazem parte da solução da queixa e podem propiciar um momento muito importante para o desenvolvimento e para a saúde emocional do seu filho.



Meu nome é Daniela Knapp, sou psicóloga clínica e coach e acredito que todas nós merecemos ter um tempo especial para cuidarmos de nós mesmas, da nossa saúde emocional e do nosso bem-estar. Esse site foi criado com o intuito de termos um espaço para a troca de experiências, conhecimentos e para falarmos um pouco sobre nós mulheres! Fique à vontade para entrar em contato comigo. Você é sempre bem-vinda por aqui!

#filhos